Polícia investiga homem suspeito de falsificar centenas de atestados e receitas médicas no DF

Segundo corporação, há indícios de que suspeito vendia documentos e retirava medicamentos na rede pública, com material falso. Agentes cumpriram mandados de busca e apreensão. Blocos de receitas foram apreendidas com preso do regime semiaberto TV Globo/Reprodução A Polícia Civil do Distrito Federal cumpriu, nesta quarta-feira (4), mandados de busca e apreensão contra um homem, de 49 anos, suspeito de falsificar atestados e receitas médicas na capital. Segundo o delegado Ulysses Luz, da 30ª Delegacia de Polícia, em São Sebastião, a suspeita é que o homem tenha fraudado centenas de documentos. Na casa do suspeito, no bairro Vila Nova, em São Sebastião, os policiais apreenderam formulários de receituários e atestados médicos em branco, guias de internação, além de carimbos falsos com nomes e registros de médicos. Segundo as investigações, ele conta com a ajuda da filha, de 23 anos. Funcionária é condenada criminalmente por apresentar atestado falso no trabalho, no DF Mulher é presa por vender atestados médicos falsos no centro de Brasília A polícia afirma que o homem lucrava de duas formas: vendendo os documentos falsos para pessoas ou usando-os para retirar medicamentos na rede pública de saúde. Em seguida, revendia os remédios. Os agentes chegaram ao caso após denúncia de uma funcionária da Unidade Básica de Saúde (UBS) da região. A servidora procurou a polícia em junho, depois que um homem apresentou receituários médicos com indícios de falsificação. Segundo a corporação, os documentos possuíam assinaturas iguais, mas estavam em nomes de médicos diferentes. Além disso, o registro no Conselho Regional de Medicina do profissional citado não estava cadastrado na unidade. Durante a operação, os agentes também encontraram folhas nas quais o autor supostamente "treinava" assinaturas para colocar nos documentos. Segundo a polícia, o suspeito usava indevidamente nomes de médicos que residem no exterior ou que já estão afastados do exercício da medicina. A delegado Ulysses Luz afirma que o próximo passo da apuração é descobrir como o homem conseguia os receituários e atestados em branco. Ele foi autuado por falsidade ideológica e deve responder ao processo em liberdade. Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.

Polícia investiga homem suspeito de falsificar centenas de atestados e receitas médicas no DF

Segundo corporação, há indícios de que suspeito vendia documentos e retirava medicamentos na rede pública, com material falso. Agentes cumpriram mandados de busca e apreensão. Blocos de receitas foram apreendidas com preso do regime semiaberto TV Globo/Reprodução A Polícia Civil do Distrito Federal cumpriu, nesta quarta-feira (4), mandados de busca e apreensão contra um homem, de 49 anos, suspeito de falsificar atestados e receitas médicas na capital. Segundo o delegado Ulysses Luz, da 30ª Delegacia de Polícia, em São Sebastião, a suspeita é que o homem tenha fraudado centenas de documentos. Na casa do suspeito, no bairro Vila Nova, em São Sebastião, os policiais apreenderam formulários de receituários e atestados médicos em branco, guias de internação, além de carimbos falsos com nomes e registros de médicos. Segundo as investigações, ele conta com a ajuda da filha, de 23 anos. Funcionária é condenada criminalmente por apresentar atestado falso no trabalho, no DF Mulher é presa por vender atestados médicos falsos no centro de Brasília A polícia afirma que o homem lucrava de duas formas: vendendo os documentos falsos para pessoas ou usando-os para retirar medicamentos na rede pública de saúde. Em seguida, revendia os remédios. Os agentes chegaram ao caso após denúncia de uma funcionária da Unidade Básica de Saúde (UBS) da região. A servidora procurou a polícia em junho, depois que um homem apresentou receituários médicos com indícios de falsificação. Segundo a corporação, os documentos possuíam assinaturas iguais, mas estavam em nomes de médicos diferentes. Além disso, o registro no Conselho Regional de Medicina do profissional citado não estava cadastrado na unidade. Durante a operação, os agentes também encontraram folhas nas quais o autor supostamente "treinava" assinaturas para colocar nos documentos. Segundo a polícia, o suspeito usava indevidamente nomes de médicos que residem no exterior ou que já estão afastados do exercício da medicina. A delegado Ulysses Luz afirma que o próximo passo da apuração é descobrir como o homem conseguia os receituários e atestados em branco. Ele foi autuado por falsidade ideológica e deve responder ao processo em liberdade. Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.